h1

Menina de 4 anos apaixonada

13/04/2010

Este vídeo eu prefiro não comentar e observar o comentário dos leitores. Ô dó!

Anúncios
h1

Geração Y por uma Y

09/04/2010

Para quem não conhece, o TED é um fórum mundial de idéias interessantes. Iniciado como um espaço de discussão sobre tecnologia, entretenimento e design, hoje organiza debates no mundo inteiro. Vale a pena visitar o site: http://www.ted.com e assistir às palestras. Seguindo os critérios do TED, ocorreu em São Paulo no mês passado uma palestra sobre o jovem, a geração Y e Z. Para quem quer conhecer um pouco sobre essa geração, recomendo este vídeo de uma das palestras, a da Lili, que ficou famosa devido ao seu blog sobre processos seletivos de trainee, o “Quero ser trainee“. Hoje ela escreve sobre suas experiências como trainee da Danone no “Lili trainee“.  Geração Y assumida, ela explica de forma divertida um pouco sobre conflito de gerações em empresa neste vídeo interessante.

h1

Sobre a falta de lógica na contratação de técnicos de futebol

20/02/2010

Antes de começar a discutir futebol, vamos deixar claro que eu não torço pra nenhum time. Meus conhecimentos de futebol são quase nulos: o pouco que tenho vem de uma época em que acompanhava uma certa pessoa quando ia ao Morumbi. Assim, tenho uma simpatia pelos jogadores da época (2005): eram os mais bonitos de todos os times brasileiros: Lugano, Ceni, Kaka, Cicinho… Eles não são modelos, mas perto dos jogadores dos outros times são um colírio: pense apenas no Ronaldinho Gaúcho e você entenderá porque futebol é menos popular com as mulheres que com os homens! 😉 . De lá pra cá, acompanho uma ou outra notícia no jornal, pergunto pra um ou outro amigo fanático. Não sei nada sobre escalação de time, mas fui formando minhas teorias sobre a contratação dos técnicos. A primeira é de que não há lógica na contratação de técnicos: certas pessoas não passariam em uma entrevista banal.

Vamos tomar o caso do Muricy, que acabou de “ser saído” do Palmeiras 10 meses antes de acabar o contrato, logo depois de uma goleada do São Caetano (depois de tomar). Ele foi demitido do São Paulo em junho de 2009, segundo o diretor do São Paulo na época (João Paulo), por “não entregar resultados” (lei-se Libertadores). Perguntei para um Palmeirense: poxa, se o cara não está dando resultado, por que o Palmeiras contratou? Segue-se a resposta “é porque às vezes há um desgaste entre o time e o técnico”, tese apoiada por essa matéria da época: a reformulação do São Paulo foi só a saida da Comissão Técnica, ponto (http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Sao_Paulo/0,,MUL1201360-9875,00-DIRETOR+DIZ+QUE+RESULTADOS+SELARAM+SAIDA+DE+MURICY+RAMALHO+DO+COMANDO+DO+TR.html

Só para contextualizar um pouco, eu me lembro que na época o Ronaldo havia acabado de voltar para o Brasil, acirrando a disputa entre os times paulistas, inclusive provocando uma vitória de 2×0 do Corínthians contra o São Paulo em abril do mesmo ano, ou seja,  4 meses antes da demissão no Campeonato Paulista.

Imagine a seguinte entrevista de emprego:

Entrevistador: _Vejo aqui que você tem um bom currículo, conquista de três campeonatos brasileiros nod últimos anos, mas por que você foi demitido?

Candidato: _Ahn, a minha empresa passou por uma reestruturação.

Entrevistador: _Entendo, mas vejo que  apenas você e seu secretário saiu da empresa, toda a sua equipe permaneceu. Como você justifica isso?

Candidato a técnico: _Ah! É que eu já tinha três anos de casa, e me desgastei com a minha equipe;

Entrevistador: Então quer dizer que você é uma pessoa de difícil relacionamento? O mesmo irá acontecer se eu lhe contratar na minha empresa?

Candidato: Não, isso não vai acontecer porque ainda não tive desgaste com a minha futura equipe. 

Entrevistador: _Observei que uma das empresas concorrentes diretas suas  contratou profissionais de peso, e desde então vocês perderam mercado. O que você fez quando se viu nessa situação;

Candidato: _Eu seguí a seguinte lógica: priorizei defender a posição que tinha conquistado…

Entrevistador: _Mas a diretoria queria que você focasse em outro mercado na época, né?

Candidato: _Exatamente.

Entrevistador: Então você não se adapta, não se arrisca quando começa a perder mercado, não entrega resultados que a diretoria pede, além de ser uma pessoa difícil de lidar..

Candidato: _ Mas…

Entrevistador: _Perfeito para a vaga! Está contratado!

O fim da história todo mundo sabe. Muricy tomou uma goleada do São Caetano (depois de 704 dias sem tomar uma) com seis meses de Palmeiras e foi “substituído” pelo técnico desse mesmo time. É nessas horas que eu vejo como é importante ter um departamento de RH que possa fazer uma entrevista dessas!

 São coisas do futebol…

h1

Geração Y? Eu?

20/02/2010

Eu já cheguei a ficar ofendida com as coisas que encontro na internet sobre Geração Y. Talvez haja muita generalização nesse conceito: muito do que é escrito, além de ser carregado de tom pessoal, é uma extrapolação de padrões urbanos de países desenvolvidos para o resto do mundo. Algumas coisas eu observo em colegas, mas não em mim mesma. Talvez por causa da minha história um pouco incomum, como comento no post aqui: colégio militar, católico, escotismo, igreja, ter que sair de campo grande com 16 para vir morar com as minhas irmãs em São Paulo, ter tido uma carreira como enxadrista, ter me adaptado ao modo alemão de trabalho, entre outras coisas que me fizeram desenvolver paciência, disciplina e adaptação a hierarquia. Às vezes penso que não me identifico com a minha geração. Coloquei tudo isso no meu novo post no Top Talent:  http://www.toptalent.com.br/index.php/2010/02/01/geny-eu/

E  você, também se incomoda com tudo o que você lê sobre a Geração Y? Então divirta-se com a letra desta música, a 11º no rol da Rolling Stones!

A ironia disso é que o The Who é da geração Baby Boomer!

Referências:

My Generation (The Who):http://en.wikipedia.org/wiki/My_Generation_(The_Who_song)

h1

Você largaria tudo por uma profissão?

28/01/2010

Nesta segunda-feira fui ao cinema e encontrei um filme que abordava três questões que me perturbam há algum tempo: Planos de vida, conflito GenYxBaby Boomer e Mudança em função de uma carreira.

“Amor sem escalas” (Up in the air ), de Jason Reitmann, diretor de “Juno” e “Obrigado por Fumar”, também ótimos, é um filme muito interessante para quem está numa situação de “recém formado”,  escolhendo a carreira, prestes a decidir se muda para uma outra cidade em busca de uma oportunidade profissional ou em função de um relacionamento. Neste filme, George Clooney interpreta com maestria Ryan, um profissional incomum, especializado em demitir pessoas. Como ele viaja constantemente, ele praticamente não tem casa, não é apegado a nada, e ainda dá palestras sobre isso! De maneira sutil, divertida e criativa, Reitmann acaba por abordar coisas como sentido da vida, relações pessoais e como fazemos planos.

Conheço duas pessoas que levam uma vida próxima a de Ryan, e posso dizer que a questão dos relacionamentos é realmente delicada para eles, e também para mim, que passei por três mudanças de cidade em função da tão sonhada carreira, que ainda está começando…

Há um conflito de geração GenY x Baby Boomer que ocorre quando a trainee da empresa, Natalie, resolve “revolucionar” a maneira de trabalho colocando todos os profissionais a demitir por videoconferência. Ryan, não querendo se adaptar, leva a jovem psicóloga a campo para conhecer o trabalho dele de verdade. Aí a história se desenvolve, com uma trilha sonora perfeita. Natalie é como nós: inovadores, criativos, exigentes, sempre conectados, com sede de fazer mais, mas com uma fragilidade enorme embaixo da superfície rígida de fortes profissionais pró-ativos e ambiciosos!

Há um diálogo que por si só vale o filme: Natalie, 21, e Vera com 40 contam seus planos e objetivos em termos de relacionamento, e nós percebemos como a vida é muito mais difícil de prever do que nós imaginamos quando saimos do ensino médio com 17 anos e fazemos nossos planos.

Em suma, vale muito a pena ver esse filme, nada previsível (mesmo com o que eu falei aqui) e marcante.

MENINOS, não se preocupem, não é muito romântico, podem levar suas namoradas, fingir que estão assistindo só para agradá-las  e ganhar pontinhos!

ATUALIZAÇÕES:

Saíram algumas matérias interessantes sobre esse filme:

_HSM Management: Aqui o filme é comentado do ponto de vista de uma revista de negócios, focando na demissão;

_Zero Hora: Consultoras de Outplacement comentam o filme;

Para satisfazer a curiosidade do leitor: Sim, eu me mudaria de novo para trabalhar, e toparia uma vida de mudanças por um certo tempo, principalmente em início de carreira. Quanto às duas pessoas que eu conheço, elas conseguem namorar e até casar mesmo que tenham que ficar um certo tempo distante. Acho até que, em geral, algumas pessoas precisam de mais espaço nos relacionamentos.

h1

Procurando emprego em mídias sociais

23/01/2010

É incrível como as mídias sociais estão servindo como um novo e mais eficiente canal de comunicação. As notícias chegam rapidamente nos sites de relacionamento do que nos portais de internet. Como boa parte dos leitores deste blog estão prestando trainee e procurando emprego em geral, resolví passar algumas dicas.

ORKUT:

O bom e velho orkut todo mundo conhece. Várias empresas têm comunidade lá, mas é muito difícil algo aparecer das mesmas. Já a comunidade trainee brasil do Orkut é bastante “movimentada”. Lá aparecem processos seletivos mais rapidamente que em portais de notícia tradicionais, mas não se engane: lá também aparecem empresas de recrutamento, e parte da sua avaliação num processo seletivo será o seu comportamento na comunidade.

LINKED IN:

É uma rede de perfis profissionais de pessoas é como se fosse um orkut profissional. Muitas empresas pelo mundo fazem recrutamento via LinkedIn. Além de colocar você em contato com seus colegas e os colegas de trabalho desses seus colegas. Há comunidades de recrutamento. As mais ativas são internacionais, infelizmente. Recomendo uma só com empresas de recrutamento e headhunters: Recruitment Network. Lí textos interessantíssimos dos blogs desses caras e entrei em contato com um. Muita gente entra para anunciar uma vaga ou está procurando emprego na área X. Aqui os posts têm que ser mais sérios que o Orkut e em inglês.

Importante: Adicione apenas pessoas com quem você já trabalhou, mesmo que seja trabalho de faculdade, pois ela pode te pedir uma recomendação e aí vale tanto quanto uma indicação, ou seja, você é parcialmente responsável pelas atitudes daquela pessoa.

Há redes concorrentes: Plaxo, Indica, Eacademy e Monster.

TWITTER

Os perfis de empresas de seleção: @ciadetalentos, @grupofoco, e @vagas sempre enviam notícias com as vagas de recrutamento, como programas de estágio, trainee e etc, vagas isoladas só indo no site delas, o que, diga-se de passagem, faz você gastar muito tempo. Uma empresa genial chamada Tweet My Job começou a twittar vagas de empregos um por um. Eles parecem ter um acordo com a Matriz de empresas multinacionais para publicar um anúncio no site deles, assim eles twittam os links para os anúncios. Para mandar o currículo eu não sei, talvez você deva pagar alguma coisa, no link eles explicam. Você escolhe um canal para a região onde você quer trabalhar, tem para o mundo inteiro. O inconveniente é que eles twittam uns 20 de uma vez, mas cheguei a encontrar vagas que não estavam nos jornais e portais típicos de anúncio como UOL e Catho. É só seguir: @tmj_bra_jobs

Também importante: Não precisa seguir quem você não tem tempo ou interesse de ler… Não é como Orkut.

OLD FASHION: E-MAILS

O Renato Ricci e o Max Gehringer falaram na CBN para o ingressante no mercado de trabalho mandar seu currículo para o maior número de pessoas conhecidas: amigos, parentes, amigos dos seus pais, amigos dos seus parentes, professores (ele têm bastante contato com empresa) e ex-colegas de empresa. Eu ainda não mandei pra todo mundo porque realmente estou deixando para o último caso (quando a bolsa ou o mestrado acabar, o que vier primeiro), e não incomodá-los tanto. Aliás, é muito interessante ouvir essas entrevistas pela internet. Eles têm arquivo.

BLOGS

Quem leu o anúncio da Johnson e Johnson este ano de 2009 viu que eles querem conhecer a marca que o candidato deixa no mundo. Hoje vivemos num big brother. A qualquer momento o Google mostra o que você disse, quando e onde. Assim, eu acho melhor ter um espaço e mostrar eu mesma quem sou que ficar à mercê do que a pessoa interpreta de uma busca com o seu nome. Pode formar um quadro melhor e mais fiel da pessoa.

BANCOS DE CURRÍCULO:

Catho e Manager são bastante conhecidos, porém pagos. Há mais alternativas baratas: UOL (9,90) ou gratuitas: Monster, Nube, Curriculum.com.br, CIEE, entre outros. É só por no google. O Vagas é um dos mais utilizados para processo seletivo de trainee. Não se esqueça de visitar

ALERTA DO GOOGLE

Você pode criar um alerta no google com as palavras chaves da sua área, da localidade onde você quer trabalhar e receber tudo no seu email na freqüência que você desejar.

h1

“Ira divina” no Haiti?

18/01/2010

É preocupante a freqüência com que o termo “Deus” é comentado em catástrofes. O ser humano vai lá, constrói uma casa em área de deslizamento, de instabilidade, faz casa de madeira, mora do lado de vulcão, e depois procura um culpado porque a casa cai, o incêndio destrói tudo, as cinzas soterram… Como se a Terra fosse um produto de má qualidade, sem garantia.

Parte desse sentimento deve vir da impotência diante das forças da natureza. Podemos ter as mais avançadas tecnologias, ir à lua, manipular os genes, mas basta a temperatura da terra aquecer alguns graus e pronto! Armagedon! Talvez esse mistério seja causado por essa vontade de dominar os eventos, de conseguir prever o futuro. Surgem então os “pastores”, cônsul e até mesmo jornalistas a falar sobre a “ira divina”.

Afirmar que compreende e prevê as atitudes de Deus é incompatível coma  situação de crente, é afirmar que o infinto cabe nas nossas consciências limitadas, como diria um apóstolo é “tentar fazer o mar caber num balde” . O termo “vontade de Deus”  tem sido utilizado para justificar uma série de  calamidades, sacrifícios e ordens de superiores fanáticos de religiões. São lamentáveis as declarações do Cônsul do Haiti no Brasil (http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u679672.shtml), do Pastor dos EUA (http://terratv.terra.com.br/Noticias/Especiais/Terremoto-no-Haiti/4717-266628/Pastor-diz-que-pacto-com-Diabo-causou-terremoto.htm), e de um jornalista supostamente humanitário aqui (http://haiti.org.br/2010/01/haiti-a-miseria-de-deus-por-afonso-teixeira/) de que o terremoto com nível 7 na escala Richter estivesse relacionado à prática da Macumba ou a um possível acordo de venda de alma com o diabo, justificando um abandono da parte de Deus.

Parte dessa confusão vem da leitura parcial da Bíblia. O termo “ira ou justiça Divina” é facilmente encontrado no velho testamento. O que poucos comentam é que no próprio velho testamento há o livro de Jó que expõe essa contradição: nessa história fictícia, Deus é desafiado pelo Diabo de que seu filho Jó é fiel apenas porque tem conforto material. Então Deus vai tirando tudo dele para prová-lo, e, numa cena que é interessante retomar, entra na Sinagoga e protesta diante da perda de sua família e propriedades aos anciãos mostrando que ele não era merecedor das desgraças que lhe haviam acontecido. O próprio Jesus fala “Pai, por que me abandonaste”.

O que devíamos fazer, ao invés de achar o culpado de um terremoto (além de ajudar as vítimas, obviamente) é ter esperança! Esperança de que essas pessoas falecidas estejam num lugar melhor e que o Haiti, como em outras ocasiões em que tragédias, a história nos mostre no futuro saldos positivos. Explico:

  • Tsunami de 2004: Ocorreu logo no meio da “Guerra contra o Terror”. O mundo inteiro se uniu em prol das vítimas, por um bom tempo ninguém ouviu falar de guerra ou atentado terrorista. Infelizmente as pessoas foram esquecendo e voltaram a brigar.
  • Enchente em Boston: Ocorrida em 2005, mostrou a fragilidade do Governo Bush, que agiu pouquíssimo em assistência às vítimas, que passaram dias horríveis de desordem. Não fosse essa catástrofe, muito provavelmente teríamos um terceiro mandato deste;
  • Segunda Guerra Mundial: Esta foi causada pelos homens, mas veja a Alemanha. Reergueu-se e hoje assume um papel de liderança mundial incrível. Boa parte dos direitos civis das mulheres surgiu devido à participação delas nessa época.
  • Israel: O próprio povo judeu é o que mais sofreu invasão, escravidão e perseguição ao longo de toda a história. Alguém conhece algum judeu necessitado?

O que esperar do Haiti?

Podemos esperar que os haitianos ao reconstruir o país ganhem mais consciência dos seus direitos civis e não permita que regimes anti-democráticos e ditaduras tomem o poder. Com certeza o povo haitiano vai sair mais forte e unido desta catástrofe. O tempo é de esperança e de solidariedade!